terça-feira, 18 de julho de 2017

Avenida Tênis Clube - Santa Maria -100 anos

Este dia 18 de julho de 2017 marca o centenário do Avenida Tênis Clube, fundado por um grupo de moças santa-marienses, várias delas recém-saídas do internato em colégios de Porto Alegre.
Em uma reunião das jovens amigas, em janeiro de 1917, no palacete residencial do médico Astrogildo de Azevedo, intendente municipal e pai de uma delas, Aracy Pinto de Azevedo, elas planejavam sobre o que fazer na pequena Santa Maria de cerca de 15.000 habitantes. Haviam terminado os estudos e não mais voltariam aos colégios da capital.
Foi então que uma das jovens, Stellita Mariense de Campos, teve uma ideia que foi aceita com entusiasmo: Construir uma quadra de tênis, pois esse esporte era praticado por mulheres e a quadra era um espaço de convívio social com os rapazes.
Durante o tempo de internato, no Colégio Bom Conselho, em Porto Alegre, havia passeios periódicos, pelo bairro Moinhos de Ventos, austeramente guiados pelas irmãs. Elas lembravam de terem visto, então, quadras de tênis, em algumas residências, onde jovens de ambos os sexos jogavam alegremente. Além disso, houvera em Santa Maria o Lawn-Tennis Club, com quadra na Av. Rio Branco, de curta duração, fundado por engenheiros e dirigentes da Viação Férrea.
As jovens obtiveram o empréstimo de dois terrenos contíguos, na Av. Rio Branco, para a construção da quadra. Um deles pertencia ao eng. Gustave Clarles Vauthier, diretor da Viação Férrea, e o outro ao eng. Eduardo Sabóia, empreiteiro da ferrovia. Talvez fosse o mesmo local da quadra do extinto Lawn-Tennis Club. Elas compraram a rede, raquetes e bolas que haviam pertencido a esse clube, então existentes no armazém da Cooperativa dos Empregados da Viação Férrea, guardadas por seu gerente, Manoel Ribas.
No palacete Dr. Astrogildo foi realizada a reunião de fundação e todas as demais do A.T.C., até 1920.  Projeto do arquiteto Theodor Wiederspahn, o prédio hoje abriga o Museu da UFSM, na Rua do Acampamento. É um dos mais valiosos bens do patrimônio edificado de Santa Maria.  foto: Venancio Schleiniger, 1913.

A fundação e as fundadoras
No dia 18 de julho de 1917, uma quarta-feira, talvez à tarde, na mesma residência, foi eleita a primeira diretoria da então denominada Sociedade Sportiva Avenida Tennis Club: presidente: Stellita Mariense de Campos, vice-presidente: Aracy Pinto de Azevedo; 1ª secretária: Docelina de Arruda Gomes, 2ª secretária: Dorvalina Gomes da Costa, tesoureira: Odette Appel Lenz. Estavam também presentes Georgina Brenner, Maria Becker Pinto e Violeta de Arruda Gomes. Na sessão seguinte, seis dias depois, em 24 de julho, estava presente Zilda Morsbach Haeffner. A ata dessa sessão não a cita como uma nova sócia, então devemos incluí-la no grupo de nove fundadoras que tinham entre 15 e 18 anos, no mês da reunião primordial, quando a construção da quadra foi decidida.
Esse número pode ser revisto, em razão de um texto escrito por Aracy Azevedo. Referindo-se às despesas com a compra da rede, raquetes e bolas, que ocorreu antes da assembleia, ela diz ter contado “com a solidariedade das colegas de ontem no Colégio Bom Conselho: Violeta e Docelina Gomes, Dorvalina Costa, Georgina Brenner, Abrilina Pinto de Araújo, Iracema, Innocencia e Inah Simões Pires, Maria Oliveira, Aracy Paz, Emilia Pereira etc.” As três primeiras já citadas como fundadoras, mas se essas últimas sete jovens participaram do pagamento da rede etc. não seriam também fundadoras? E quem seriam as outras mais referidas por Aracy como “etc.”?

As fundadoras e suas idades em janeiro de 1917
Aracy Pinto de Azevedo – 17 anos. Nasceu em Santa Maria, em 15 de julho de 1899, filha do Dr. Astrogildo Cesar de Azevedo e Aura Pinto de Azevedo.
Seu pai era médico formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Liderou a fundação do Hospital de Caridade, inaugurado em 1903, e o dirigiu por 24 anos. Na época da fundação do Avenida Tênis Clube, ele era o chefe político do Partido Republicano e fora eleito Intendente Municipal, em agosto de 1916.
Aracy Pinto de Azevedo
Aracy estudou como interna no Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, em Porto Alegre, até dezembro de 1916.
Embora tenha assumido a liderança nos primeiros passos do clube, e a primeira assembléia tenha se realizado em sua casa, Aracy foi eleita vice-presidente, na primeira diretoria. Segundo a história oral, ela quis dar a primazia da presidência à autora da ideia.
Em 16.9.1918, Aracy foi eleita presidente do Avenida Tênis Clube e, em  1º de maio de 1920, foi-lhe concedido, conforme a ata, “um título honorífico pelos esforços empregados desde a fundação do club”, definido depois como Presidente Honorária.
Em 22 de janeiro de 1931, ela casou com Frederico Guilherme Klumb, então 1º tenente do Exército, passando a chamar-se Aracy de Azevedo Klumb. Aracy faleceu em Santa Maria, em 18.5.1987, com 87 anos, deixando extensa e importante descendência.

Stellita Mariense de Campos – 17 anos. Nasceu em 6 de setembro de 1899, em Santa Maria, onde sua mãe se encontrava.
Filha de Antero Mariense de Campos e de Lourença Pereira de Campos (Sinhá), fazendeiros em Estrella, município de Júlio de Castilhos, então chamado Villa Rica.
Foi também interna no Colégio Bom Conselho,cujo curso concluiu junto com Aracy.
Stellita em tela de Eduardo Trevisan
Em 1º.10.1919, Stellita casou com o advogado J. Ignacio Silveira de Campos, com 25 anos, nascido em Porto Alegre e Intendente Municipal de Júlio de Castilhos. O ato religioso foi celebrado na Catedral, pelo Padre Caetano Pagliuca, tendo Aracy Azevedo como madrinha. O ato civil foi realizado na residência da noiva, na Rua Coronel Niederauer, 139, em Santa Maria. Após o casamento, o casal seguiu para Júlio de Castilhos, afastando-se, assim, Stellita do A.T.C.
Foi a primeira presidente do Avenida Tênis Clube.

Docelina de Arruda Gomes – 16 anos. Nasceu em Santa Maria, em 8 de março de 1900, filha de Jeronymo da Costa Gomes e Brígida de Arruda Gomes. O pai era coronel comandante da Brigada de Cavalaria da Guarda Nacional, em Santa Maria, criada em agosto do 1915. Fora o anterior Intendente e era co-proprietário da filial local da Livraria do Globo.
Docelina de Arruda Gomes
Docelina estudou no Bom Conselho, como interna, junto com Aracy e Stellita.
Foi a secretária da primeira diretoria.
Casou com José Xavier da Rocha. Faleceu em Santa Maria, em 8.9.1992, com 92 anos. Naquele ano, em sua homenagem, como única fundadora viva, foi instituída a Copa Docelina, que de tornou importante evento internacional de tênis.

Violeta de Arruda Gomes – 18 anos. Nasceu em Santa Maria, em 16 de outubro de 1898. Era irmã de Docelina. Também foi aluna interna no Colégio Bom Conselho.
Casou com Waldemar Moreira, fiscal da Fazenda Nacional. Seu filho Luiz Pompílio Gomes da Rocha Moreira, general do exército.
  
Georgina Pereira Brenner – 16 anos. Nasceu em Santa Maria, em 20 de agosto de1900, filha do comerciante Julio Brenner e de Brisabel Pereira Brenner.
Em 5.6.1919, casou com o advogado Mario Gomes de Oliveira Guimarães, nascido em 9.8.1892, em Belmonte, no litoral da Bahia. Ele exercia o cargo de promotor público, em Santa Maria, e foi aclamado orador oficial do Avenida Tênis Clube, na assembleia de 26.9.1917. O casamento foi celebrado na residência dos pais da noiva, na Rua Ipiranga, hoje Av. Presidente Vargas, citada no jornal da época como o palacete de Julio Brenner.

Odette Appel Lenz – 18 anos. Nasceu em Santa Maria, em 20 de fevereiro de 1898, filha de João
Odette Appel Lenz
Lenz, comerciante, e Lydia Appel Lenz.
Neta de Johann Peter Lenz, alemão, e Carlota Lenz; e de Antonio Appel, alemão, e Carlota Appel.
João Lenz era vice-intendente na gestão do Dr. Astrogildo de Azevedo (1917-18).
Odette era a tesoureira da primeira diretoria e foi eleita presidente do A.T.C., em 14.3.1920, sucedendo Aracy Azevedo.

Dorvalina Gomes da Costa – 18 anos. Nasceu em Tupanciretã, em 5 de junho de 1898, filha de Júlio Marques da Costa e Rita Gomes da Costa.
Era a segunda secretária da primeira diretoria.
Em 7.3.1925, casou com o comerciante Ernesto Antão Teixeira, nascido em Porto Alegre, em 17.1.1894.  O casamento foi celebrado na residência da noiva, na Rua Floriano Peixoto, nº. 68.

Maria Becker Pinto ~14 ou 15 anos.
Nasceu em Santa Maria, em 19 de maio em 1901 ou 1902, filha do médico Nicolau Becker Pinto e Docelina Weinmann Pinto. Era neta do Dr. Pantaleão José Pinto, primeiro santa-mariense que se formou em Medicina, e de Anna Maria Becker Pinto. Casou, em cerca de 1928, com o economista carioca Henrique Aranha Lowndes e mudou-se para o Rio de Janeiro.

Zilda Morsbach Haeffner – 18 anos. Nasceu em Santa Maria, em 20 de novembro de 1898, filha de Aristides Gabriel Haeffner e Augusta Morsbach Haeffner.
Casou, em 15.12.1923, com Olívio Kroeff, comerciante de 47 anos, filho de Miguel Kroeff e Anna Kroeff. Zilda Haeffner Kroeff  faleceu em Santa Maria, em 18.6.1978, com 79 anos.

A Falsa data

O primeiro registro documental do clube é a ata da assembleia de 18 de julho de 1917, quando foi eleita a primeira diretoria. Antes disso, houve ações já citadas, mas nenhuma assembleia de fundação. Nem mesmo na redação da ata de 18 de julho, as jovens e inexperientes fundadoras registraram que estavam fundando um clube, mas esse registro deve ser reconhecido como o de fundação do Avenida Tênis Clube.
Durante cerca de oito décadas, o clube festejou seu aniversário referido a 7 de setembro de 1916, mas isso se deve a uma confusão provocada pelas dirigentes dos primeiros tempos e a outros fatos.  Elas comemoravam a inauguração da quadra de tênis como sendo o aniversário do clube.
Nada ocorreu em 1916, quando várias fundadoras ainda estavam no internato, em colégios de Porto Alegre, e somente em dezembro daquele ano, terminados os estudos, voltariam a Santa Maria. Alguns indícios me causavam dúvidas sobre a falsa data até que na festa do falso 85º aniversário, em setembro de 2001, Marina Klumb Dalasta, fiha de Aracy de Azevedo Klumb me disse que sua “mãe não poderia ter fundado o tênis em 1916, pois era aluna interna no Colégio Bom Conselho, em Porto Alegre.”
Minhas dúvidas se tornaram então certeza, e iniciei uma cuidadosa pesquisa para reunir provas a respeito.

A data verdadeira 

2004 na sede do ATC - Apresentação de José Antonio Brenner ref. à data da fundação.

A diretoria do presidente Renato Junker Machado acolheu o resultado de minha pesquisa e sugestão de que fosse reconhecida como data de fundação a da primeira assembleia, em 18.7.1917.
Em 2004, na comemoração dos 87 anos do A.T.C., perante cerca de 500 associados, fiz a apresentação com irrefutável documentação provando que todas as ações para a criação do clube ocorreram em 2017.

Locais da sede e desenvolvimento
A primeira quadra de tênis do Avenida Tênis Clube foi construída na Avenida Rio Branco localização que foi escolhida para denominação do clube.
Depois, em 1920, teve duas quadras na Praça da República. Três anos depois, em 1923, inaugurou sua melhor sede até então, na Praça do Mercado, atual Saturnino de Brito, com três quadras e pavilhão social. Em 1930, transferiu-se novamente para a Praça da República, na área hoje ocupada pelo Corpo de Bombeiros. Durante 27 anos, o A.T.C. ficou naquele local, com muitas glórias, a mais importante conquistada por sua atleta Carmen Paz, com três títulos nacionais: campeã brasileira por equipe e bicampeã brasileira individual de tênis, em 1950 e 1953.
Em 25.4.1920, o clube inaugurou sua nova instalação na Praça da República, onde teve duas quadras e permaneceu por três anos e oito meses. Em 15.12.1923, inaugurou nova sede, na Praça do Mercado, atual Saturnino de Brito, com três quadras e seu primeiro pavilhão social. Sete anos depois, em 1930, voltou à Praça da República

Imagem CNES 2017/Airbus Digital/Globe Landsat -- Digitalização/correçoes: J.A.Brenner
Área total 32.088 m² - 1. Salão nobre - 2. Salão/administração - 3. Salão multiuso -
4. Academia - 5. Área verde - 6. Quadras cobertas - 7. Judô - 8. Parque aquático - 9. Saunas - 10. Piscinas térmicas - 11. Restaurante - 12. Dep. Tradições Gaúchas - 13. Futebol sete -
14. Estacionamentos

Durante os anos de 1957 e 58 transferiu-se para o local onde se encontra, em área doada pelo Município, onde o A.T.C. começou seu desenvolvimento em âmbito social e esportivo que se tornou notável após a aquisição da nova área, do outro lado da avenida, em 1986, na gestão do presidente Roberto Bisogno. A prestação de serviços aos associados foi consideravelmente ampliada, com a do Centro Poliesportivo, com piscina térmica semiolímpica e novas saunas, construído na gestão do presidente Leomyr de Castro Girondi (2009-2013). Isso possibilitou, depois de 45 anos, a reorganização da equipe de natação que, nos anos 1960-1970, tantos títulos conquistou.

A sociedade santa-mariense e os ateceanos, com muito orgulho, devem comemorar o centenário do A.T.C., de tanta importância no contexto histórico da cidade e do estado, ao longo de sua rica existência de valiosos fatos, feitos, personagens e conquistas. Um clube que começou há 100 anos com uma quadra de tênis, na Avenida Rio Branco, e hoje, entre vários outros setores sociais e esportivos, conta com 12 quadras, em outra avenida, que deveria receber a denominação de Avenida Tênis Clube.

Nenhum comentário: