domingo, 14 de maio de 2017

Quatro homenageados do A.T.C. em 1934



Diário do Interior,  sexta-feira, 16.2.1934, p.2.
Na sessão de diretoria do Avenida Tênis Clube, em 8 de dezembro de 1933, o tesoureiro, Ernesto Lang, propôs que fosse inaugurado, na sede do clube, um quadro com as fotografias dos associados João Appel Lenz, Carlos Lang, João da Costa Ribeiro e Alcides Roth, "em homenagem aos relevantes serviços daqueles consócios." 
João Appel Lenz, então presidente, estava em licença para tratamento de saúde, desde fins do mês anterior, e João da Costa Ribeiro, presidente em exercício, afastou-se da sessão. Assim, esses dois dirigentes ficaram ausentes da sessão que aprovou a homenagem.
O quadro, com cerca de 70 por 90 cm, foi produzido na Casa Herrmann, com fotos do famoso fotógrafo Venancio Schleiniger. Essa loja, no ramo de perfumes, instrumentos cirúrgicos e fotografias, ficava na Primeira Quadra da Rua do Comércio, onde hoje está a Ótica Gaiger, no Calçadão Salvador Isaia, nº 1293. O quadro ficou em exposição na vitrine da Casa Herrmann até 18 de fevereiro de 1934, domingo.

Inauguração
Na noite de 3 de março de 1934, sábado, num ambiente de muita alegria, realizou-se a festa do A.T.C., para eleição e posse de nova diretoria, homenagem ao prefeito Edler e inauguração do quadro dos quatro ateceanos homenageados.
Às 23 horas, uma comissão composta do presidente João Appel Lenz e das jovens Norma Seibel, rainha do A.T.C., e Lucia Izaguirre introduziu, sob aplausos, o prefeito municipal,  João Antonio Edler, no salão social da sede.
A seguir, a diretoria propôs e a assembleia aprovou a concessão do título de Sócio Benemérito ao prefeito Edler, por ter deferido o pedido referente à cessão de mais uma área ao A.T.C. e por ter documentado a regularização da permanência do clube na Praça da República.
Foi então proposta a eleição da nova diretoria por aclamação, com o que concordou a assembleia. Foram aclamados: Presidente – Dr. João Geiger Bonuma; vice – Dr. Lamartine Souza; 1º secretário – Alcyr Pimentel; 2ª secretária – Lucia Izaguirre; 1º tesoureiro – Athos Lenz; 2ª tesoureira – Amelia Pereira; diretor esportivo – Carlos Lang; Conselho fiscal – Ennio Brenner, Ernesto Lang e João da Costa Ribeiro.
Deixando a presidência, o Dr. João Appel Lenz convidou os novos membros da diretoria a tomarem posse em seus cargos, o que foi feito sob uma salva de palmas.
O Dr. João Bonuma agradeceu a indicação de seu nome para presidente do A.T.C. e prometeu tudo fazer em prol do tênis.
À meia-noite, foi inaugurado o quadro com as fotografias dos quatro destacados ateceanos João Appel Lenz, Carlos Lang, João da Costa Ribeiro e Alcides Roth.
Carlos Lang agradeceu, em nome dos homenageados, a significativa prova de apreço dos seus consócios.
Seguiu-se um animado baile que terminou na madrugada de domngo.
 
No sentido horário, João da Costa Ribeiro, Alcides Roth, Carlos Lang e João Appel Lenz.
O quadro dos quatro homenageados não mais existe. A imagem acima é uma fotomontagem, baseada na memória e em foto do álbum da família (abaixo). Foram usadas fotografias dos acervos fotográficos das famílias dos homenageados e de uma publicação na revista A.T.C.
Assim como aconteceu com as placas denominativas das três quadras de tênis, na Praça da República, o quadro foi descartado e a homenagem desfeita, após a mudança da sede para o atual local, em 1958. Na foto abaixo, de 1941, vê-se, ao fundo, o citado quadro, na parede do antigo pavilhão social, na Praça da República. Vê-se também o quadro com a foto da coroação da segunda rainha do A.T.C, Amélia Pereira, em 28.7.1934. Esses dois quadros, mais o da primeira rainha, Norma Seibel e o da campeã brasileira, Carmen Paz, inaugurado em 7.9.1950, também foram descartados.
No pavilhão social do Avenida Tênis Clube, na Praça da República, em 1941. Ao fundo, o quadro dos quatro homenegeados. À frente, três jovens atletas do A.T.C.: Carmen Brenner Paz, Zilah de Almeida Cecal -- ambas com 18 anos -- e Arthur Brenner Paz, com 20 anos.

Os homenageados
João Appel Lenz (Guta)
João Appel Lenz, em 18.10.1931.
Nasceu em Santa Maria, em 28 de julho de 1896, e foi batizado em 6 de março de 1897. Era filho do comerciante João Lenz e Lydia Appel Lenz. Seu pai era chamado de Jango, então o filho, também João, começou a ser chamado Janguta, depois reduzido para Guta. Jangote e Janguta eram antigos diminutivos de Jango.
Esse apelido de tal forma incorporou-se a João Appel Lenz, que ele foi assim chamado, carinhosamente, por toda a vida.
Em fins de 1917, formou-se em odontologia, em Porto Alegre. No ano seguinte, associou-se ao A.T.C. onde começou a se destacar como tenista.
Formou, com João Luiz Roth, irmão de Alcides Roth, a dupla para o jogo da abertura da temporada em 1.6.1919, na quadra da Av. Rio Branco. Em 1.5.1920 foi eleito diretor de mês.
Primeiro homem presidente do ATC, eleito em 13.3.1921, Guta Lenz sucedeu sua irmã Odette. Nessa data foi eleita a 1ª diretoria mista do clube, antes dirigido só por mulheres, nos cargos pricipais.
Até a data da homenagem, ele fora eleito presidente cinco vezes (1921, 1926, 1929, 1933 e 1934). Posteriormente, foi presidente em 1949.
O jornal A.T.C., na edição de 25.2.1934 homenageou o ex-presidente, na seção Galeria do A.T.C.:
No campo da administração, em cargos vários, em quase todas as diretorias, assim como empunhando a raquete, o Guta tem sabido honrar a confiança que lhe tem sido dispensada por todos os ateceanos, tornando-se, sem favor, um dos maiores fatores do progresso do nosso clube.

Em 1969, quando presidente do A.T.C., tive a honra de propor e conceder-lhe, com aprovação do Conselho Deliberativo, o título de Sócio Benemérito do clube.

Carlos Oscar Lang
Nascido em São Leopoldo, em 6.7.1901, aos 18 anos mudou-se para Santa Maria.
Carlos Lang tinha 20 anos quando se associou ao Avenida Tênis Clube. Foi proposto por Iracema Brack e admitido na sessão de diretoria, em 26.7.1921, realizada na residência de Elma Brenner, vice-presidente exercendo a presidência.
Iniciou a vida profissional como viajante comercial e, em 1927, estabeleceu-se como comerciante. Tinha
Carlos Lang, juiz  nos jogos de inau-
guração da sede do Brasil Tênis Clube, 
em São Gabriel, em  23.4.1933.
26 anos quando participou da fundação da Casa Lang Ferragens Ltda., da qual se tornou titular. A importante empresa ficava na Primeira Quadra da Rua Doutor Bozano, no prédio onde hoje está a Loja Colombo.
Até a data da homenagem, Lang havia exercido vários cargos na diretoria: 1º secretário (1929), diretor esportivo (1925 e 1928), vice-presidente (1930) e presidente (1931).

O jornal A.T.C., o homenageia, na edição de 26.5.1934:
É da guarda-velha. Na hora “H” ele sempre foi encontrado a postos. Como jogador, ataca com impetuosidade e defende com energia. Ficamos admirados da facilidade com que ele locomove aquela massa formidável de cento e tantos quilogramas. E se têm inveja dele.
Quando sobe à cadeira de juiz, hay que verlo! A turma sente logo que “há juízes em Berlim.” (Referência à disputa entre um humilde moleiro de Sans-Souci e o rei da Prússia, Friedrich II - séc. XVIII).

João da Costa Ribeiro
Nascido em Cruz Alta, era gerente do Banco da Província, em Santa Maria e, posteriormente, foi diretor desse Banco, por muitos anos, em Porto Alegre.
Associou-se ao A.T.C. entre julho de 1922 e março de 1923 (um período de quase oito meses sem
João da Costa Ribeiro, em 1934.
atas), quando o clube estava na Praça do Mercado, atual Saturnino de Brito. Em 15.3.1923, foi eleito tesoureiro, cargo para o qual foi reeleito nas duas diretorias seguintes.  Em 1927 foi eleito presidente e foi diretor esportivo em quatro gestões (19
26, 1929, 1930, 1931 e 1932). No ano da homenagem, João da Costa Ribeiro era vice-presidente.
O jornal A.T.C., na edição de 28.4.1934, prestou-lhe homenagem:
Declara que "o Avenida Tênis Clube deve-lhe muito", acrescentando que desde seu ingresso, manifestou "acendrado interesse pelos assuntos vitais da sociedade, colaborando intensa e proficuamente pela sua manutenção e desenvolvimento, quer com elemento esportivo, quer como dirigente ou social." O texto conclui ressaltando o continuado entusiasmo de Costa Ribeiro, que o mantinha "em seu lugar de destaque na vida do clube, lídimo exemplo de tenacidade e devotamento que deve ser imitado."

Alcides Roth
Nasceu em Santa Maria, em 27 de janeiro de 1899, no então distrito do Pinhal, hoje município de Itaara, filho de Friedrich Roth, natural de Brücken/Alemanha e de Catharina Luise Albrecht, natural de Campo Bom.
Aos 19 anos, em 27.11.1918, inaugurou a Casa Roth, na Primeira Quadra da Rua do Comércio, onde hoje está o Edif. Bechara Abaide, nº 1318 da Rua Doutor Bozano, cujo térreo é parte da Casa Eny Feminina. Mais tarde, mudou a loja para o prédio em frente, hoje Galerias Roth.

Proposto por Lamartine Souza, Alcides Roth foi admitido sócio do A.T.C., na sessão de diretoria de
Alcides Roth, em 18.10.1931.
7.10.1929.
Foi eleito presidente do clube, em 18.3.1932.
No Diario do Interior, edição de 3.4.1932 , o cronista do tênis que assinava Drive, comemorou a eleição de Alcides Roth, por sua reconhecida qualidade administrativa.
Foi empossado em sessão de 17 de abril de 1932, domingo, no pavilhão social. O ato da posse foi seguido de reunião dançante, com música produzida por uma vitrola Orthophonic Victor, o primeiro fonógrafo movido a eletricidade. O aparelho foi cedido pelo presidente, que já o vendia em sua Casa Roth, pelo menos desde 1927.
Em sua gestão, as quadras de tênis foram reformadas, e o salão foi ampliado em cerca de 15 m². Para obter os necessários recursos financeiros, foi realizado um festival beneficente, no Cine Independência, em 11.5.1932.
Nos dias 19 e 20  de junho de 1932, Alcides Roth descobriu a presença, em Santa Maria, de Bruno Schuetz, do Tênis Clube Walhalla, campeão porto-alegrense de tênis, e campeão individual de tênis do Estado, de 1930 a 1943.
Segundo o cronista Drive, o presidente do A.T.C. promoveu,
uma lindíssima partida de tênis, num único set, entre o citado raquetista e o nosso vice-campeão Ennio Brenner. A pegada foi belíssima, finalizando com o resultado de 7x5, favorável ao campeão da Metrópole. Ennio atuou como nunca, jogou assombrosamente. Perdeu, sim, mas não desmereceu as gloriosas tradições do seu clube. A sua derrota ao enfrentar um adversário das possibilidades técnicas de Bruno Schuetz, acusando a contagem dos pontos a diferença mínima, é uma prova de que o nosso vice-campeão não é “sopa”. Os nossos parabéns ao jovem Ennio e ao Avenida.

Na gestão de Alcides Roth, durante a tarde esportiva de domingo, em 10.7.1932, foi homenageado o ex-presidente e sócio benemérito Eng. João Baptista Leggerini, dando o nome de “Pelouse Dr. Leggerini” a uma das quadras de tênis.  Finalizando o programa, houve um chá-dançante na sede, cujos melhoramentos foram festivamente inaugurados na ocasião.
______________________________________
Fontes:
Acervos fotográficos de José Antonio Brenner, José Augusto Roth, Maria de Lourdes Lang e Miriam Berao.
Arquivo pessoal
Arquivo Histórico Municipal de Santa Maria – Hemeroteca
Diário do Interior, 3.4.1932 – domingo - p. 2
Diário do Interior, 22.6.1932 – quarta-feira – p. 4
Diário do Interior, 16.2.1934 – sexta-feira – p. 2
Diário do Interior, 6.3.1934 – terça-feira - p. 4
A.T.C.- Orgão do Avenida Tennis Club, edições de 25.2.2934, 28 de abril de 1934 e 26.5.1934.
Livro nº 1 de Atas do Avenida Tênis Clube..
Carlos Oscar Lang, um homem que nasceu e morreu como autêntico comandante.. In: Álbum do 1º Centenário de Santa Maria. Santa Maria, Livraria do Globo, 1958.


Nenhum comentário: