segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Cemitério Municipal – Patrimônio a ser conhecido e preservado


   As notícias sobre a recente intervenção no jazigo de Pedro Maximiano Nagel, como parte do projeto Informação lapidar, despertaram a atenção para a importância de nosso principal "campo santo" santa-mariense.

   O banco de dados resultante certamente será de grande valor para a pesquisa sobre a história das famílias e seus personagens, e da Arquitetura e da estatuária funerária da cidade. As ações do projeto se concentram na área do outrora cemitério da Comunidade Evangélica Alemã, integrado no Cemitério Municipal, que contém alguns dos mais antigos sepultamentos de Santa Maria.
   Esse importante projeto tem a coordenação da professora Fernanda Kieling Pedrazzi, do Curso de Arquivologia/UFSM.
João Alberto Licht Teixeira no trabalho de limpeza da imagem. fotos Diário de S. Maria/Jean Pimentel

   História
  O Cemitério Municipal de Santa Maria tem raízes no cemitério da antiga Comunidade Evangélica Alemã. Seis anos antes de sua fundação, alemães e descendentes que professavam a religião luterana obtiveram, em 1860, um terreno de aproximadamente dois mil metros quadrados para instalar o Cemitério Evangélico.
  Naquele ano, Pedro Cassel, em nome dos alemães luteranos locais, perguntou à Câmara de Vereadores, conforme os termos do registro em ata, se estavam “devolutos uns terrenos, que pretendiam o Suplicante e outros Sectários de uma Religião diversa da do Estado, para a fundação de um Cemitério privativo deles.” A Câmara julgou que “o lugar indicado pelo Suplicante” não era apropriado “por estorvar o aumento da povoação...” e indicou a coxilha onde hoje está o cemitério. O Presidente da Província concedeu então o terreno no local indicado, um quadrado de 44 metros de lado. A estrada à frente da área é a atual via central do Cemitério Municipal.
   Havia cerca de 10 anos que os sepultamentos não eram mais feitos no Cemitério da Capela, junto ao primitivo templo católico, de frente para o espaço destinado à praça central. O cemitério da cidade passara a ser o denominado “Santa Cruz”, próximo à atual Igreja do Rosário.
   No ano seguinte, em 2.10.1861, a Câmara resolveu construir “o cemitério extramuros desta Vila”, isto é, em lugar afastado do centro urbano, solicitando auxílio financeiro ao Governo Provincial. Por coerência, o local escolhido foi junto e ao sul da área destinada ao cemitério evangélico. Entretanto, decorreram muitos anos para o novo cemitério público ficar pronto, em 1879.
Os dois cemitérios permaneceram lado a lado, cercados por seus muros por longos anos. Com o passar do tempo, o cemitério público envolveu o evangélico, estendendo-se para a frente, até a esquina onde hoje está sua entrada principal. O antigo cemitério evangélico alemão de Santa Maria foi desapropriado pela Prefeitura Municipal, durante a Segunda Guerra, sem ressarcimento à Comunidade a que pertencia.

    Patrimônio cultural
    Cemitérios não são apenas locais para sepultamentos.  Em diversas regiões turísticas do mundo, fazem parte do roteiro histórico de visitação. Um exemplo destacado é o cemitério Père-Lachaise, o maior de Paris e um dos mais famosos do mundo, onde estão sepultadas celebridades de diversas épocas históricas.
   Nesses locais são identificados elementos que demonstram a história social e artística da região, através da estatuária, das obras arquitetônicas, das inscrições lapidares e dos símbolos encontrados nos túmulos, valorizando a preservação desse imenso patrimônio público, que ficaram conhecidos como “museus ao céu aberto”.

   O Cemitério Municipal de Santa Maria é um dos mais importantes do interior. É um “museu a céu aberto” local, onde visitantes de quaisquer procedências podem conhecer os túmulos de personalidades ali sepultadas e a arte tumular local dos séculos XIX e XX.
   Os cemitérios contêm valiosas informações, como fonte histórica para preservação da memória familiar e coletiva; para o estudo da genealogia e para o conhecimento da formação étnica. São formas de expressão artística, de preservação do patrimônio histórico e de manifestação de fé religiosa. Interessam às áreas da Arquitetura, História, Arquivologia, Antropologia, Genealogia e do Turismo.       Essas informações são obtidas através da análise de epitáfios, mesmo as mais singelas inscrições – que são documentos epigráficos –, de fotos tumulares, das simbologias contidas nas obras funerárias e da expressão artística dos monumentos e mausoléus.
   No final do século XIX e início do século XX, o cemitério de Santa Maria, considerando o público e o evangélico, foi enriquecido com muitas obras de arte funerária de alta qualidade. A execução dos jazigos, com belas esculturas e lápides em mármore, foi muitas vezes, confiada a marmorarias que empregavam o trabalho de artistas e artesãos de reconhecido talento.
Anúncio publicado em Kalender für die Deutschen in Brasilien, 1931.

   No período citado, a mais importante foi a marmoraria de Jacob Aloys Friederichs, no Caminho Novo (Rua Voluntários da Pátria), em Porto Alegre. Nascido em 1868, em Merl sobre o Rio Mosel, Aloys viera para o Brasil, em 1868, e aprendera o ofício com seu irmão Miguel, que fora ornamentista da Catedral de Colônia, na Alemanha. Entre o final do século XIX e início do XX, Aloys introduziu grande desenvolvimento à sua oficina com a melhor maquinaria da época e talentosos artistas, ampliando a produção no campo da estatuária e da ornamentação na arquitetura sacra, profana e funerária, para a Capital e interior do Estado.  A demanda por seu trabalho, em Santa Maria, foi de tal forma intensa que ele abriu uma filial na cidade, anunciando no jornal O Estado, em fevereiro de 1902, sua“oficina de mármores e cantaria, na Rua do Comércio nº 72”, na atual terceira quadra da Rua Doutor Bozano.

   Preservação
    A Prefeitura Municipal de Santa Maria efetuou, em 2006, o recadastramento das sepulturas existentes no Cemitério Público Municipal.
  Considerando que tal prescrição municipal não tenha se efetivado para muitos jazigos de famílias santa-marienses que não têm descendentes residentes na cidade, surge a preocupação quanto ao destino dos jazigos. Há personagens da história de Santa Maria, cujo valor foi reconhecido em homenagem materializada em suas sepulturas.
   Um caso emblemático é o Dr. Victor Teltz, médico alemão que viveu em Santa Maria, no início do século passado, conquistando um grande número de amigos e admiradores, por sua qualidade profissional, sua atitude como médico humanitário e por sua conduta no meio social local. Sem parentes no Brasil, sua sepultura foi erigida por subscrição pública, materializando no mármore a gratidão dos santa-marienses. Foi uma realização comunitária, pertence à cidade.
Jazigo do Dr. Victor Teltz
foto J. A. Brenner

   A não identificação ou ausência de um responsável não poderá justificar a remoção dos objetos de arte funerária e dos documentos epigráficos, e tal conceito deve estender-se também às sepulturas recadastradas. As inscrições devem permanecer disponíveis ao conhecimento dos pósteros; os ornamentos, a estatuária, a cantaria precisam ser preservadas à apreciação dos visitantes e estudiosos.

   Informação lapidar
   Durante o desenvolvimento de sua tese de doutorado, a professora Fernanda Kieling Pedrazzi, do Curso de Arquivologia da UFSM, idealizou a formação de um grupo que realizasse o levantamento de dados nos cemitérios. Após ter comentado tal intenção em sala de aula, foi procurada por João Alberto Licht Teixeira, aluno do curso, que manifestou seu interesse em apresentar uma proposta, pois já desenvolvia o seu Projeto Retalhos (http://familiateixeira.com/retalhos.php). Ele apresentou então um esboço de projeto visando ao levantamento dos dados no Cemitério Municipal que foi redimensionado, restringindo-se à área do antigo cemitério evangélico alemão.
Jazigo Nagel após limpeza.
foto Fernanda Kieling Pedrazzi

   Com a inclusão de um pequeno grupo de alunos interessados, o projeto foi rediscutido com  a participação de todos, tornando-se uma verdadeira construção coletiva.
   Sob a coordenação da Prof.ª Fernanda Kieling Pedrazzi, o projeto denominado Informação lapidar foi posto em prática, em uma primeira fase, com fotos e indicações das coordenadas de cada túmulo, além da catalogaçao das informações para compor um banco de dados. Atualmente, o trabalho está em fase final da indexação das inscrições das lápides.

   Jazigo de Pedro Maximiano Nagel
   A intervenção nesse secular túmulo foi uma iniciativa de Alex Scherer Porporatti, aluno de Arquitetura/Unifra. A proposta foi aceita pelo grupo como uma contribuição à paisagem urbana de nosso “campo santo”, já que o túmulo, um dos mais belos do antigo cemitério evangélico alemão, encontrava-se em estado de abandono.
   Possivelmente descendente do genearca Peter Nagel, chegado a São Leopoldo em 1825, Pedro Maximiano Nagel nasceu em 3.10.1854. Em Santa Maria, casou com Malvina Weinmann, filha do imigrante Franz Weinmam, chegado a São Leopoldo, em 6.11.1825, com 6 anos de idade, em companhia dos pais e irmãos. Pedro Maximiano faleceu com 52 anos de idade, em Santa Maria, em 23.8.1906. Possivelmente nos anos seguintes, a família mandou erigir o jazigo, pela marmoraria Casa Aloys, como revela a pequena placa afixada no lado direito da base.
   A denominação já existia desde 1891, quando Jacob Aloys Friederichs comprou a marmoraria de seu irmão Miguel. A Casa Aloys produzia basicamente cantaria e escultura de imagens e ornamentos de mármore, onde trabalharam os escultores espanhóis José Martinez Lopes e André Arjonas.
Malvina Weinmann Nagel (1865-1950) e Pedro Maximiano Nagel (1854-1906)
   Não sabemos em que ano, após 1906, foi construído o jazigo Nagel, com mármore de Carrara, nem o mestre da Casa Aloys que o executou.
   Este poderá ser mais um importante item para a pesquisa: a autoria da estatuária e ornamentos de nosso Cemitério Municipal.
_____________________________
Fontes:
BRENNER, José Antonio. Cemitério Municipal- Patrimônio a ser preservado,  A Razão, Santa Maria, quinta-feira, 2.11.2006, p.7.
DOBERSTEIN, Arnoldo Walter. Estatuários, catolicismo e gauchismo. Porto Alegre EDIPUCRS, 2002

2 comentários:

Fernanda Pedrazzi disse...

Muito obrigada pelo apoio! Seu reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelos alunos do curso de Arquivologia da UFSM e demais participantes do projeto é de grande valia para nós! Obrigada! Abraços!

Fernanda Pedrazzi disse...

Muito obrigada pelo apoio! Seu reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelos alunos do curso de Arquivologia da UFSM e demais participantes do projeto é de grande valia para nós! Obrigada! Abraços!