quinta-feira, 9 de maio de 2013

Cronologia histórica de Santa Maria


A ilustração da capa é a foto mais antiga
da cidade, que se estende pela última capa.
   Neste dia 10 de maio de 2013, na 40ª Feira do Livro de Santa Maria, haverá o lançamento, pela Editora da UFSM, da 3ª edição da Cronologia Histórica de Santa Maria e do extinto município de São Martinho, de Romeu Beltrão.
   A 1ª edição, com 199 páginas, foi publicada pelo autor, em 1958, quando a cidade comemorava o centenário de sua emancipação política. A obra tinha suas raízes em uma série de textos publicados por Beltrão no jornal A Razão, na década de 1950.
   O autor continuou, de forma incessante, seu trabalho de minuciosa pesquisa, ampliando consideravelmente a obra, que não chegou a ver publicada, pois faleceu em 15 de novembro de 1977, aos 64 anos. Deixou aos seus filhos a recomendação de que a publicassem, o que resultou na 2ª edição, com 500 páginas, em 1979.
   O livro de Romeu Beltrão é uma das mais valiosas e fundamentais obras da historiografia santa-mariense, há muitos anos esgotada. Uma nova reedição era ansiosamente esperada, e a decisão da Editora UFSM de publicar uma 3ª edição, anunciada na abertura da Feira do Livro de Santa Maria, em 28 de abril de 2012, foi entusiasticamente aplaudida pelos presentes.
Entrada da 40ª Feira do Livro de Santa Maria,
na Praça Saldanha Marinho.
   Sob a coordenação do Prof. Pedro Brum Santos, diretor do Centro de Artes e Letras/UFSM, uma equipe formada pelos professores Vitor Biasoli, Beatriz Weber e José Antonio Brenner trabalhou na revisão do conteúdo, enriquecendo a obra com várias notas, indispensáveis quando se reedita um livro histórico escrito há mais de três décadas.
   São comentários importantes para o leitor atual, em razão do desenvolvimento das pesquisas e da citação de locais que sofreram transformações, ao longo do tempo. Além disso, foram inseridas muitas fotos da cidade, de diferentes épocas, o que resultou em um alentado volume de 776 páginas.


A foto mais antiga da cidade, de autor desconhecido, é da Rua do Acampamento, na direção sul-norte.  Foi restaurada por José Antonio Brenner, a partir de foto publicada na Revista do Centenário, em 1914.
   Para ilustração da capa, a equipe escolheu a foto considerada a mais antiga da cidade, que foi restaurada a partir de um pequeno clichê publicado em 1914, na Revista do Centenário de Santa Maria, onde é datada de 1890, deve ser, porém, anterior a esse ano. 
A 3ª edição da Cronologia histórica de Santa Maria... está disponível na Feira, desde sua abertura, em 27 de abril último, mas terá seu lançamento oficial em 10 de maio

Romeu Beltrão, o autor.
   Romeu Beltrão nasceu em Santa Maria, no dia 29 de junho de 1913. Após formar-se médico, em 1934,  pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, hoje da UFRGS, começou a trabalhar em São Pedro, fixando-se em sua terra natal, no ano de 1937. Foi um homem múltiplo: além de sua atividade profissional, foi professor no ensino médio e em diversos cursos superiores, escritor, historiador, cronista, botânico e paleontólogo.  Em sua variada e extensa produção científica e literária, seu legado maior é a Cronologia histórica de Santa Maria e do extinto município de São Martinho, agora nesta muito bem-vinda 3ª edição.



   Nesta Feira do Livro de Santa Maria, a obra de Beltrão é um dos livros mais vendidos, devendo ultrapassar os 160 exemplares, até o encerramento, no domingo, dia 12 de maio. 

2 comentários:

BRASIL, UM PAÍS DE TOLOS. disse...

Olá!
Meu nome é Mariana e sou bisneta de Graziella Brenner.
Desde que me entendo por gente escuto histórias lindas sobre a vida de minha bisa. Onde nasceu e cresceu. Sobre seus pais, primos e tios.
Inevitavelmente me apaixonei e um dia, por curiosidade, decidi colocar no google o sobrenome dela e encontrei sua página.
Fiquei encantada quando li sobre a Vila Etelvina. O brilho que surge nos olhos dela quando me conta a bagunça que era quando todos os primos se reuniam lá, é fantástico! Morro de felicidade!
Aliás, minha bisa foi criada pela Tia Etelvina.
Infelizmente minha vó não deu continuidade a família. Minha mãe não possui Brenner em seu registro e lamentavelmente, também não possuo.
Obrigada por trazer essas histórias lindas, por me fazer viver e conhecer ainda mais a vida da pessoa que eu mais amo nessa vida.

Abraço carinhoso,
Mariana Monteiro

Romilda Raeder disse...

Infelizmente, NADA consta com esse título na livraria da editora da UFSM. E quando se envia um e-mail (via formulário, na página) para lá, recebe-se um desagradável aviso de que não foi possível encontrar a página (de envio da mensagem). Lamentável.