sábado, 7 de janeiro de 2017

Carmen Paz - campeã brasileira de tênis



Carmen Brenner Paz
   Carmen Brenner Paz, minha prima-irmã, completa hoje 94 anos de idade.
   A maior glória do passado do tênis santa-mariense, Carmen Brenner Paz, nasceu em Santa Maria, em 7 de janeiro de 1923. Desde a primeira infância, seu ambiente familiar era ligado ao tênis. Seu pai, o cirurgião-dentista Altino de Figueiredo Paz, figurava entre os primeiros sócios homens do Avenida Tênis Clube-A.T.C., no ano de fundação, em 1917, então na Avenida Rio Branco. 
Quando o clube estava na Praça da República, onde hoje está o Corpo de Bombeiros, sua mãe, Edith Brenner Paz, praticava o esporte, e a menina Carmen servia-lhe de boleira, no início dos anos 30. Seus três irmãos eram hábeis tenistas. O mais velho, Flávio Paz, aos 15 anos, em 1933, era chamado de “Menino de Ouro” do tênis. Naquele mesmo ano, seu tio Ennio Brenner – meu pai – tornara-se o campeão do Avenida Tênis Clube. 
Da esquerda: Arthur, Carlos Horácio,
Carmen e Flávio Paz.

   Quando crianças, Carmen e seus irmãos improvisavam, no quintal de sua casa, uma rede feita com sacos e jogavam tênis com raquetes de madeira. Com 15 anos, em 1938, ela associou-se ao Avenida Tênis Clube. Após pouco mais de um ano jogando tênis com uma raquete de verdade, Carmen foi inscrita no Torneio Aberto de Tênis, realizado pela Sociedade Juvenil, em Porto Alegre, em junho de 1939. Tinha 16 anos e sagrou-se a campeã do torneio. Foi o primeiro título da gloriosa carreira tenística de Carmen Paz. Jamais recebeu treinamento de técnicos profissionais; seu principal treinador era seu tio Ennio Brenner, campeão do A.T.C.(1933-40). 
Suas qualidades eram inatas, como eram em vários tenistas de sua família, certamente por influência genética: Além do lado materno, Brenner, sua tia Aracy de Figueiredo Paz foi a primeira campeã de A.T.C., em 1920.. 
Atleta de grande fibra, dotada de pertinácia e força de vontade,  dedicava-se intensamente nos jogos, mesmo em recreação. De temperamento firme e enérgico, infundia essa energia no seu belo estilo de jogo incisivo e harmonioso. Agia com modéstia fora das quadras, mas transformava-se ao empunhar a raquete, demonstrando vigor e entusiasmo, na época excepcionais numa atleta mulher. Sua atitude era impecável, mesmo nos lances mais infelizes, quando comportava-se de forma exemplar.
A Gazeta Esportiva de Curitiba, edição de 25.8.1953, noticia a conquista de Carmen.


 Entre seus incontáveis títulos e conquistas, alguns merecem destaque especial.
Venceu por mais de 10 anos consecutivos o Campeonato Aberto do Moinhos de Vento, em Porto Alegre, a partir de 1945.  Foi campeã individual do Estado, por vários anos, sagrando-se Penta-campeã Estadual de Tênis, em 1953.  Em 1949, tornou-se Campeã Brasileira por equipe.  No ano seguinte, 1950, conquistou o maior título individual de tênis no país: Campeã Brasileira.  Não competiu em 1952, mas repetiu a façanha em 1953: Bicampeã Brasileira de Tênis.
As notícias então destacavam que Carmen Paz era indiscutivelmente a atleta que maiores e mais notáveis glórias esportivas havia trazido para Santa Maria.
A grande tenista do Avenida Tênis Clube conquistara a totalidade dos títulos disputados em Santa Maria, no Estado e no País, tendo ainda, naquele ano, conquistado, pela segunda vez, o título máximo no certame brasileiro de tênis.
Carmen Brenner Paz, em 1955, transferiu-se, com sua família para Porto Alegre.
Em 1986, o Avenida Tênis Clube, por iniciativa de seu presidente, Roberto Bisogno, prestou homenagem à sua grande atleta, inscrita em placa de bronze afixada em uma de suas quadras.

Nos 150 anos de emancipação política de Santa Maria, em 2008, Carmen foi agraciada com a medalha do "Mérito Esportivo".

Nenhum comentário: